15
out2022
21h30 Até 23h30

9º Concerto Solidariedade Páginas de Música

Leiria
Teatro José Lúcio Da Silva Teatro José Lúcio Da Silva
Música

Sinopse

Sons Por Uma Causa
Nicolai – Abertura ‘As alegres comadres de Windsor’

Baseada no ‘Falstaff’ de Shakespeare, ‘As alegres comadres de Windsor’ é a obra que hoje mantém o nome do compositor e maestro prussiano Otto Nicolai na nossa memória. Ela foi escrita no essencial em 1845-46, datando a Abertura do final de 1847. A estreia dar-se-ia na Ópera de Berlim, em Março de 1849. Na ópera alemã, Nicolai é uma importante figura na linhagem procedente de Carl Maria von Weber, a qual haveria de ter continuação, após a morte prematura de Nicolai, com a opereta vienense.

Rossini – Abertura ‘La gazza ladra’

Rossini foi um fenómeno de popularidade na Europa entre 1815 e 1830. De ‘La gazza ladra’, ópera estreada em 1817, no Scala de Milão, reteve fama apenas a espalhafatosa Abertura, com vários traços de orquestração característicos da ‘marca’ de Rossini. A presença da caixa de rufo prende-se com o elemento militar presente na obra e confere a este trecho algo do seu ‘característico’. Outros elementos são a escrita ligeira das cordas, os pequenos solos de instrumentos de madeira, os ‘ostinati’ e os ‘crescendi’ – estes, tão peculiares ao autor, que ficaram conhecidos por ‘crescendos de Rossini’.

Offenbach – Abertura ‘Orfeu nos Infernos’

‘Orfeu nos infernos’ é uma ópera cómica/opereta de Jacques Offenbach (estreia: 1858; versão revista: 1874) que ficou como epítome do género, muito graças ao número de ‘can-can’ protagonizado pelas dançarinas do ‘Folies bergère’ e do ‘Moulin rouge’ já desde finais do século XIX, cuja música provém do ‘Galope infernal’ desta opereta.

A Abertura, porém, não é da pena de Offenbach. A sua origem está num acto de “pirataria cultural” do actor e empresário teatral austríaco Johann Nepomuk Nestroy para o que seria a estreia da obra em Viena, em Março de 1860. Uma produção ilegal, sem a autorização de Offenbach e que violava o ‘copyright’, mas que se fez e obteve tal sucesso, que gerou uma ‘febre offenbachiana’ em Viena e veio a ser o gérmen da opereta vienense. Nestroy (que integrava o elenco) encarregou o compositor Carl Binder (1816-60) de reorquestrar a obra a partir de uma redução para piano que mandara vir de Paris. Como em Viena era forçoso haver uma Abertura, Binder “inventou-a”, servindo-se dos motivos e temas mais recorrentes na obra. A posteridade agradeceu-lhe.

Bernstein – ‘Maria’, WSS

Recriação moderna do ‘Romeu e Julieta’ de Shakespeare (e objecto de muito recente versão fílmica de Steven Spielberg), o ‘West Side Story’ estreou a 26 de Setembro de 1957, na Broadway, com música de Leonard Bernstein e libreto de Stephen Sondheim (falecido a 26 de Novembro passado, aos 91 anos). A primeira adaptação para o cinema, com Natalie Wood como Maria, é de 1961, realizada por Robert Wise e Jerome Robbins.

Este número do musical é um solo de Tony (antigo líder dos ‘Jets’, um gang juvenil de rapazes brancos da Upper West Side de Nova Iorque), na forma de uma serenata apaixonada que ele canta à janela de Maria, que conhecera nessa noite num baile de bairro e com quem dançara (Maria é irmã do líder dos ‘Sharks’, o gang rival dos Jets na mesma zona da cidade, formado por imigrantes de Porto Rico). Tudo aqui é felicidade, mas o amor de ambos irá precipitar a tragédia.

Joh. Strauss Jr. – ‘Unter Donner und Blitz’,

Trata-se de uma polca rápida, estreada 16 de Fevereiro de 1868, em Viena, por ocasião do Baile de Carnaval da Associação de Artistas ‘Hesperus’. O título significa ‘Sob raios e trovões’ e descreve uma tempestade de Verão. De grande popularidade, figura regularmente nos concertos de Ano Novo da Filarmónica de Viena

Canções do repertório da TUIST:

Vontade de ser é uma criação original da TUIST, de 2004, e deu nome ao documentário comemorativo dos 25 anos da TUIST, lançado em Abril de 2020.

Se um dia não houver luar é dos temas mais famosos da TUIST, escrita, reza a história, nas costas de uma folha de ponto durante um exame de Análise Matemática e tocada pela primeira vez em 2001 no VIII CELTA. A Marcha do centenário é uma adaptação de uma marcha popular de Lisboa e data de 2006.

Amélia dos olhos doces é um dos grandes êxitos de Carlos Mendes (n. 1947). O poema de Joaquim Pessoa que lhe serve de letra foi ditado pelo próprio enquanto guiava o seu automóvel, inspirado pela visão fugaz dos olhos de uma prostituta junto ao Liceu Camões. A música seria composta logo no dia seguinte. Integrou o LP ‘Canções de Ex-Cravo e Malviver’ (1977), editado pela Toma Lá Disco – a primeira editora discográfica independente portuguesa, fundada em cooperativa por Mendes, Fernando Tordo, Paulo de Carvalho, Ary dos Santos, J. Pessoa e Luís Villas-Boas.

Bella enamorada é uma canção proveniente da zarzuela ‘El último romántico’, com música da dupla Soutullo e Vert, estreada em Madrid, em Março de 1928. Trata-se de uma balada sentimental (uma ‘romança’) cantada pelo protagonista Enrique (um tenor) e dedicada ao seu antigo (e ainda vívido) amor, a condessa Aurora. Por seu turno, Deja que salga la luna é uma canção romântica popular mexicana da tradição ‘ranchera’ e típica do repertório dos ‘mariachis’.

Povo que lavas no rio aparece pela primeira vez na discografia amaliana como última faixa do LP ‘Amália Rodrigues’ imortalizado como ‘Busto’ (devido à imagem na capa), editado em 1962 pela Valentim de Carvalho. A música é de Joaquim Campos e o poema de Pedro Homem de Mello. Foi Deus é um famoso fado com letra e música do reguenguense Alberto Janes (1909-71), licenciado em Farmácia pela Universidade do Porto, que escreveu este poema expressamente destinado a Amália, antes de sequer a conhecer. Foi incluído no LP ‘Abbey Road’, de 1952, revelando-se êxito imediato e imorredouro. Em 2018, foi a canção mais votada pelos portugueses para representar Portugal no projecto discográfico ‘Cancioneiro da UE’.

Comissão Organizadora Do Evento:
Páginas de Música – Associação de Solidariedade e Apoio Social

Contatos:
Telm: 918 731 167 | 918 212 797
917 489 707 | 913 090 001
email: [email protected]
www.paginasdemusica.pt

Ficha técnica

Ficha Artística
Tuna Universitária do IST
Bruno Almeida, tenor
Anselmo Crespo, apresentação
Orquestra do Atlântico
José Ferreira Lobo, direção

Outras informações

Páginas de Música - Associação de Solidariedade e Apoio Social