21
nov2021 domingo
18h00 Até 19h30

B&M 2021 - GALA BOOKS&MOVIES - CONCERTO DE DANIEL BERNARDES | HOMENAGEM A ISABEL RUTH

Alcobaça
Cine-Teatro de Alcobaça João D'Oliva Monteiro Cine-Teatro de Alcobaça João D'Oliva Monteiro
Música

Sinopse

GALA BOOKS&MOVIES 2021
 
 
CONCERTO HOMENAGEM A ISABEL RUTH
Com Daniel Bernardes
Local: Cine-teatro de Alcobaça
Horário: 18h00
Duração: 90 minutos
Público-Alvo: Público Geral
Classificação Etária: M/6
 
 
Este concerto é uma viagem musical pelo cinema na perspetiva de Isabel Ruth. Daniel Bernardes trilha o percurso cinematográfico de Isabel Ruth para escrever música original para Piano e Quarteto de Cordas inspirada em filmes de realizadores como Manoel de Oliveira, João Botelho, Pedro Costa e claro, Paulo Rocha com quem a atriz colaborou no célebre “Os Verdes Anos”.
 
 
 
 
ISABEL RUTH
Bailarina, actriz, nasceu em Tomar, a 6 de Abril de 1940. Foi para Lisboa aos 12 anos, onde começou a estudar ballet e, em 1958, partiu para Londres, onde, durante dois anos, frequentou a Royal Ballet School. De regresso a Portugal, ingressou no Grupo Experimental de Ballet (que mais tarde se transformaria no Ballet Gulbenkian). Aí obteve vários sucessos como bailarina, sendo de destacar a sua criação em Ritmo Violento (1961), coreografado por Norman Dickson. Ingressou no teatro por volta de 1970, depois de se estrear em O Marinheiro, de Fernando Pessoa, dirigida por Fernando Amado no Teatro da Casa da Comédia. Trabalhou depois com Ribeirinho (1967 - O Inspector Geral, de Nikolai Gogol, no Teatro Villaret), José Wallenstein, Fernando Heitor, Diogo Dória, Jorge Listopad, entre outros.
Estreou-se no cinema com um dos mais míticos filmes do cinema Português, "Os Verdes Anos", de Paulo Rocha (1963). No âmbito internacional, uma curta-metragem com Pascal Aubier em França foi o ponto de partida para trabalhar com vários realizadores europeus. Instalou-se em Itália, em 1967, e aí frequentou os meios artísticos. Tornou-se amiga de Pier Paolo Pasolini e de Bernardo Bertolucci, participando em diversas curtas metragens. Foi dirigida por Pasolini em Edipo Re (1967), protagonizou duas longas-metragens (uma, Il Retorno, realizada por Leonello Massobrio, outra, H2S de Roberto Faenza). E também teatro - ao lado de Laura Betti, fez Il Ricatto all Teatro, de Dacia Maraini.
Depois de uma longa viagem ao Oriente, viveu em Espanha e, em 1973, regressou a Portugal. Em 1979 regressou ao teatro (em Éden Cinema de Marguerite Duras, encenado por Fernando Heitor) e no cinema encarnou a rainha D. Teresa no filme O Bobo, de José Álvaro Morais.
Considerada uma das maiores Atrizes do cinema português, é presença habitual na cinematografia de Paulo Rocha, que a dirigiu em Os Verdes Anos (1963), Mudar de Vida (1966), O Rio do Ouro (1998), A Raiz do Coração (2000) e Vanitas (2004). Trabalhou regularmente com Manoel de Oliveira em Vale Abraão (1993), A Caixa (1994), Viagem ao Princípio do Mundo (1996), Inquietude (1998), Vou para Casa (2001), O Princípio da Incerteza (2002) e Espelho Mágico (2006). Foi ainda dirigida por João Botelho (1980 - Conversa Acabada, 1988 - Tempos Difíceis), José Álvaro Morais, Jorge Silva Melo, Lauro António, Jorge Cramez, Eduardo e Ann Guedes, Manuel Mozos, Raúl Ruiz, Margarida Gil, Fernando Lopes, Teresa Villaverde, Pedro Costa, Raquel Freire, Cláudia Tomaz e Catarina Ruivo.
Em 1995, no Festival de Cinema em Moscovo "Faces of Love", é eleita a melhor atriz pelo seu desempenho no filme Pax, de Eduardo Guedes (1994). Voltou a filmar em Itália com Tonino de Bernardi, onde participou na XVII edição do festival “Segni Barocchi”, em Foligno. No final de 1999, a Cinemateca Portuguesa faz-lhe uma homenagem e João Bénard da Costa dedica-lhe o livro A dupla vida de Isabel Ruth.
Isabel Ruth também pinta, escreve e compõe música, tendo publicado Fotopoesia (2006) pela Guerra&Paz, uma autobiografia poética, com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. Em 2007, recebeu o Globo de Ouro como Melhor Atriz Cinema, pela sua interpretação em Vanitas, de Paulo Rocha (2005). A 27 de março de 2018, foi feita Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.[2]
2019 ficou marcado pelo regresso de Isabel Ruth ao pequeno ecrã, em Terra Brava – SIC, e pelo Globo de Ouro, novamente na categoria de Melhor Atriz de Cinema, desta vez com a sua interpretação em “Raiva”, de Sérgio Tréfaut, um filme a preto e branco que retrata a exploração laboral e da injustiça social vivida no Alentejo da década de 1950.
 
 
DANIEL BERNARDES, MÚSICO
Daniel Bernardes nasceu em Alcobaça, em 1986. Começou a estudar piano aos 5 anos de idade e aos 18 muda-se para Paris, sendo admitido na prestigiada École Normale de Musique de Paris. Regressa a Portugal para se dedicar ao jazz, estudando com Filipe Melo na Escola de Jazz Luiz Villas-Boas e ingressando depois na Escola Superior de Música de Lisboa. Aí, pela mão de João Paulo Esteves da Silva, torna-se o primeiro licenciado em Piano Jazz desta instituição. Frequenta actualmente o Doutoramento em Artes Musicais da Universidade Nova de Lisboa. Trabalha igualmente para teatro, assumindo a direcção musical de Cimbelino de Shakespeare (encenação de António Pires) para o Teatro do Bairro, assim como de Sweet Home Europa de D. Carnevali (encenação de João Pedro Mamede), numa produção do Teatro Nacional D. Maria II. Estreia-se em cinema com as bandas sonoras de Peregrinação e Ano da Morte de Ricardo Reis de João Botelho.
 
 
PROGRAMA COMPLETO AQUI - https://bit.ly/3mRrg4n