27
mai2023
21h30 Até 22h40

Chamaram-lhe Mulher

Torres Vedras
Teatro-Cine de Torres Vedras Teatro-Cine de Torres Vedras
Dança Música

Sinopse

A música do século XVII fornece a base artística para este périplo emocional. O século XVII trouxe algumas das mudanças técnicas e estéticas mais significativas na História da Música, aproximando esta de uma expressividade cada vez mais ligada à palavra e emoções que dela emanam: o stilo moderno que florescia na Itália substituía o stilo antico, e ditava que a música servia as nuances do texto poético e dos afetos.

Em 1568, Maddalena Casulana (1544 – 1590) publicava as suas composições musicais – tornando-se a primeira mulher (que tenha chegado até nós) a fazê-lo. No seu prefácio, que dedicou a Isabella de Medici, justifica este ato de quase subversão: “...mostrar ao mundo o erro fútil dos homens que acreditam ser eles próprios os patronos dos altos dons do intelecto, que, segundo eles, não podem ser da mesma forma das mulheres.” (Veneza, Abril 10, 1568, tradução livre, Ana Castanhito).

Hoje, nós sentimo-nos privilegiadas por podermos cultivar os nossos dons e trabalhar as nossas apetências artísticas e queremos falar-vos no feminino. A expressiva música do século XVII e esta ideia de prestar homenagem à Mulher na Arte estimularam-nos a criar um espetáculo atual, que liberta a cantora e a coloca no centro, juntamente com a bailarina, da busca da interpretação mais genuína, onde o corpo, a voz, a expressão se concertam para um momento artístico que é único e inevitavelmente ligado ao instante e ao lugar onde acontece.

Ficha técnica

PROGRAMA

Mulher - Espanto inicial da criação

Che si può fare?, Barbara Strozzi (1619-1677)

Mulher – Inocência

 

Se l’aura spira, Girolamo Frescobaldi (1583-1643)

 

 Mulher – Prenúncio de crueldade

 Improviso

 

Mulher – Olhos que choram

Lumi, potete piangere, Giovanni Legrenzi (1626-1690)

 

Mulher – Olhos que seduzem

Ojos, pues me desdeñais, José Marín (1618-1699)

 

Mulher – Mãe que sofre

Hor ch’è tempo di dormire (Canzonetta Spirituale sopra alla nanna), Tarquinio Merula (1595-1665)

 

Mulher – Felicidade

Amante felice, Giovanni Stefani (séc.XVII)

 

 

Criação: Ana Castanhito, Helena Raposo, Patrycja Gabrel e Yola Pinto

Interpretação: Ana Castanhito (harpa barroca), Helena Raposo (teorba e guitarra barroca), Patrycja Gabrel (soprano) e Yola Pinto (movimento e dramaturgia )

Coprodução: Município do Fundão / Festival de Música Antiga de Castelo Novo | Teatro-Cine de Torres Vedras

Fotografia/Som: Jorge Moura

Fotografia/Video: Nuno Veiga

 

Apoios: Teatro da Voz do Operário | ProDança | Arte e Impacto (Jorge Moura) | Nuno Veiga | Município do Fundão | Município de Torres Vedras

Outras informações

M/6

Preço: 5,00 euros