15
jun2021
20h30 Até 22h00

Diga 33 | Poesia no Teatro com Luiza Nilo Nunes e Pedro Teixeira Neves

Caldas da Rainha
Sala Estúdio do Teatro da Rainha
Livro

Sinopse

A poesia prossegue na Sala Estúdio do Teatro da Rainha, às terceiras terças-feiras de cada mês. Em Junho cumpre-se metade de um programa entretanto recuperado, depois da paragem determinada pelo dever de isolamento obrigatório. Ultrapassado o estado de emergência, insistimos obstinadamente na poesia como hipótese de reunião e de conversa, na presença uns dos outros, uns com os outros, uns entre os outros. Para o efeito, convidámos a juntarem-se a nós os poetas Luiza Nilo Nunes e Pedro Teixeira Neves.

Como sempre, os encontros Diga 33 realizar-se-ão num registo de tertúlia aberto à participação do público. Leremos poemas, falaremos sobre os percursos dos nossos convidados, sendo certo que em cima da mesa estrarão dois temas quentes: os excomungados da História da Literatura e a poesia erótica na actualidade.
Conversa e leituras serão os ingredientes essenciais, mas nunca se sabe o que poderá acontecer. O palco abre-se ao público e o público faz parte do palco.

Ficha técnica

Luiza Nilo Nunes (Porto Alegre, 1989) nasceu no Brasil, mas reside em Portugal desde a infância. É licenciada em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Mestre em Estudos Editoriais pelo Departamento de Línguas e Culturas da Universidade de Aveiro. Autora de poesia e de ficção, é editora da revista literária Tlön (5 números editados). Tem publicado em revistas e sites on-line, tais como a revista de poesia e arte contemporânea Mallarmagens, A Bacana, Enfermaria 6, Caliban. Fundou a editora Anjo Terrível para divulgar, numa colecção a que chamou “mulheres terríveis”, autoras excomungadas na história da literatura universal. São disso exemplo os livros “Stigmata”, de Teresa Wilms Montt, e “Os Elementos Terrestres”, de Eunice Odio, que Luzia Nilo Nunes organizou, traduziu e introduziu.
Pedro Teixeira Neves (Lisboa, 1969) formou-se em Relações Internacionais, mas cedo se dedicou ao jornalismo. Trabalhou no extinto jornal Semanário, foi chefe de redacção da revista Arte Ibérica, redactor na Agenda Cultural de Lisboa, fundou a Magazine Artes e a Ticketline, escreveu crítica literária para o PNETliteratura. Foi também jornalista e fotógrafo da Epicur. Como fotógrafo, ganhou dois prémios: o Prémio Retratar Um Livro, da Fundação José Saramago, atribuído em 2012, e o Prémio de Fotografia Reflexos de Lisboa, atribuído em 2013. Publicou poesia, ficção e literatura infantil, estreando-se na poesia em 2003 com o livro “Chiasco” (Quasi Edições). Desde então, tem publicado vários livros de poesia. O mais recente, em Fevereiro deste ano, intitula-se “Os trabalhos mais leves (69 poemas de jubilosa compenetração)”, na colecção 12catorzebold das Edições Húmus.