07
Fev2020 Sexta
21h00 Até 23h00

Encontro Internacional de Contadores de Histórias

Leiria
Biblioteca Afonso Lopes Vieira Biblioteca Afonso Lopes Vieira
Património imaterial Teatro

Sinopse

Portugal – Argentina – Itália – Brasil

Contar histórias é uma faculdade inerente ao ser humano. Esta arte está ligada à vida da própria Humanidade e não se pode dissociar da existência do Homem.

Este tipo de manifestação cultural caracteriza-se pela dinâmica interativa entre o contador e o ouvinte, transformando-se numa ferramenta de comunicação da memória da humanidade. A transmissão de mensagens através da expressão da palavra, entoada em voz alta e complementada com gestos, remonta às origens mais profundas do ser humano.

A voz do contador transforma-se numa memória viva que permite uma viagem às raízes da nossa existência e traduz-se num processo de consciencialização de si próprio enquanto ser que pensa, sente e evolui.

Em 2020 estaremos em escolas e associações dos concelhos de Leiria, Batalha, Marinha Grande, Porto de Mós e Pedrógão Grande. Como convidados temos Jorge Serafim, Cristina Taquelim, Rodolfo Castro e António Fontinha. Este projecto também contempla além das escolas, lares, centros de dia e associações de solidariedade social.

Contar histórias para crianças é uma acção que desenvolve o estímulo para a aquisição de conhecimentos e competências não só a nível da linguagem, mas também no desenvolvimento da personalidade.

Combater a iliteracia, compreender o mundo que nos rodeia e desenvolver o espírito crítico são pontos- chave neste processo recorrendo a adágios, contos tradicionais, trava línguas, narrativas e todas as formas de expressar memórias e mensagens que se transformem numa reflexão para cada ouvinte.

 

A Entrada é livre.

Ficha técnica

Com Jorge Serafim, Cristina Taquelim, Rodolfo Castro, António Fontinha, Antonella Gilardi e Tâmara Bezerra.

Produção: O Nariz Teatro de Grupo

Apoio: Câmara Municipal de Leiria e Caixa Agrícola de Leiria

Outras informações

António Fontinha

Nasceu em Lisboa, em 1966, e viveu em Angola até 1974. Concluiu o primeiro ano do Curso de Teatro da Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa (1985/86), trabalhou como ator em diversas produções e em 1992 começou a contar histórias no Centro Educativo da Bela Vista, ao serviço do Chapitô. É um dos pioneiros da Narração Oral em Portugal e vive exclusivamente de contar histórias desde 1995. Dinamizou milhares de sessões de contos e trabalhou para os mais diversos públicos por todo o país. Fora de Portugal contou em Espanha, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, França, Argentina e Bélgica.
A base do seu repertório são temas da tradição oral portuguesa e, paralelamente à atividade de narrador, conduziu campanhas de recolha de contos tradicionais por todo o território nacional, algumas delas editadas, como os Contos Populares Portugueses pela Câmara Municipal de Palmela, em 1997 e os Contos Tradicionais da Região do Entre Douro e Vouga pela Associação de Municípios das Terras de Santa Maria, em 2006.

Cristina Taquelim
Nasceu em Lagos em 1964. Licenciou-se em Psicologia Educacional e fez Pós-Graduação em Ciências Documentais. É Mediadora de Leitura e Técnica assessora da Administração Local na Biblioteca Municipal de Beja, onde é responsável, a par dos projectos continuados de mediação da leitura, pelos programas de Narração Oral na Biblioteca, as Palavras Andarilhas e as Mil e Uma Noites Mil e uma Histórias. Figura de referência no panorama nacional, tem apresentado diversas comunicações em colóquios e congressos sobre mediação e dinamizado oficinas nesta área. Desenvolve desde 1995 actividade como narradora, tendo trabalhando com públicos de todas as idades e participado em diversos encontros em Portugal, Brasil, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Espanha e Argentina

Jorge Serafim
Técnico no sector infanto-juvenil da Biblioteca Municipal de Beja, desenvolveu actividade regular na área da promoção do livro e da leitura durante cerca de treze anos. Como contador de histórias, tem percorrido o país de norte a sul, incluindo os Açores, efectuando inúmeras sessões de contos para públicos de todas as idades. Tem participado em encontros de narração oral, nomeadamente em Espanha, Argentina e Canadá. É presença regular na SIC e na RTP1 em programas de humor e é também autor de vários livros: “A.Ventura”, “A Sul de Ti” e “Estórias do Serafim”.: “Conto para que as palavras regressem a casa mais cedo. Para que entre nós deixem de haver vazios difíceis de habitar. Como as aves rumo a um sul à espera de existir. Conto para dar sentido aos passos que faço. Para reaprender a amar todas as ruas que percorro e entender todas as gentes que encontro. Conto para apagar silêncios fundos e afagar tristezas demoradas. Para fazer dos dias a morada da fala e dos meses a terra sonhada. Conto para que tudo à minha volta seja mais bonito. Tão simples de fazer tão complicado de entender...”

Rodolfo Castro

Melhor conhecido como «O pior contador de historias do mundo»
"No ano 1993 comecei a contar histórias profissionalmente. Esforcei-me sempre por ser o melhor. Para isso treinei, estudei, trabalhei...e não consegui. Quando comprovei que não podia ser o melhor decidi ser o pior... e consegui. Antes disso trabalhei de pedreiro e de carteiro, de sapateiro e de vendedor ambulante. Tentei o futebol e a actuação, fui professor de ensino básico e teve a minha banda de música. Vendi postais de natal nas ruas de Buenos Aires e artesanato no México. Sou escritor e formador creditado na área da literatura e dos contos.
Nasci e cresci em Buenos Aires, formei-me profissionalmente no México, hoje vivo em Lisboa, Portugal."

Tâmara Bezerra

Educadora, Escutadora, Contadora e Inventora de histórias, há mais de 25 anos dedica-se à narração oral de histórias, traçando sua trajetória sob forte influência da poética do sertão brasileiro. Professora universitária, também atua como formadora de narradores orais. É membro do grupo de estudos, pesquisas e partilhas com narrativas: Costureiras de Histórias, no Brasil; e associada da Ações & Conexões Associação Cultural, em Portugal. Autora de literatura infantil e infanto-juvenil, também possui publicações sobre a arte de histórias e sobre mediação de leitura. Recentemente, concluiu o filme documentário: Sete Histórias à Sombra do Cajueiro, em parceria com o cineasta Marcelo Paes de Carvalho. Um mergulho no gráfico nas paisagens narrativas de uma comunidade tradicional do Brasil, resultado do seu trabalho acadêmico, pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Antonella Gilardi

Bicho de montanhas e lagoas, a viver à beira do mar português faz anos, tem trilhado caminhos entre o teatro e a educação não formal cruzando nelesa narrativa e a narração. Gosta dos contos de autor, que vivem de ironia e de uma ilógica, harmoniosa incongruência, de contos que viram o mundo de avesso, que desconcertam e iluminam através de uma lógica rigorosa e surreal, fugindo um pouco da narrativa mais tradicional. E um canto e outro também vão entrando nos contos, porque diz que o canto é a terra onde a voz fortalece as suas raízes.