10
jan2021 domingo
15h30 Até 16h30

Encontros na Basílica I

Ourém
Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, Santuário de Fátima
Multidisciplinar Música

Sinopse

Palestra

«Jovem, eu te digo, levanta-te»: o Deus que levanta os fracos e dá a vida

Em Naim, um cortejo fúnebre torna-se surpreendentemente uma ocasião de grande alegria. A presença de Jesus, o seu encontro com a realidade dramática da humanidade e sobretudo os seus gestos de palavra e toque transformam a tristeza em alegria.

A fé de Israel contempla em YHWH, seu Deus, Aquele que levanta os abatidos (cf. Sl 146,8). O episódio de Naim (cf. Lc 7,11-16) transpõe essa caraterística para Jesus, mostrando a continuidade da história da salvação. Os olhos de todos concentram-se em Jesus, e reconhecem-no como «um grande profeta» (Lc 7,16), mas sobretudo como Aquele que dá corpo visível à fé de Israel.

Hoje esta realidade tem ainda força? Quem são os fracos que Jesus levanta? Em que circunstâncias?

 

 

Recital

O presente recital apresenta obras dos três nomes máximos do período barroco, nos seus respetivos países. Grigny, organista da catedral de Reims, França, deixou um curto legado musical, mas de tão elevado valor que mereceu transcrições (estudo) pelo próprio J. S. Bach. No seu Veni Creator ouviremos o conhecido hino gregoriano que dá nome à obra, em cantus firmus (valores longos), na tessitura do tenor, apoiado por uma rica polifonia de 4 vozes. Carlos Seixas exerceu cargos de organista na Capela Real, Sé de Coimbra e Lisboa. O seu Concerto em lá maior (original para cravo e orquestra) será apresentado sob a forma de arranjo para órgão solo; nota para a cadenza final do andamento lento, uma abordagem moderna (ao recorrer à escala octatónica), em alternativa àquilo que seria a prática improvisatória destas passagens, segundo os modelos italianos da época. O Prelúdio e Fuga em mi menor, BWV548, dito “o grande”, é das mais imponentes obras de Bach para órgão, tendo sido escrita em torno da década de 30, em Leipzig (cidade alemã onde o compositor assumiu importantes cargos musicais). A obra revela traços de modernidade, evidenciados tanto no prelúdio (de estrutura ritornelo, caraterística do género do concerto) como (e sobretudo) na fuga. Nesta – após a exposição e desenvolvimento do caraterístico tema cromático “em tesoura” (parte do uníssono para a oitava, sugerindo duas vozes que se “abrem”/ distanciam) – encontram-se momentos de elevado contraste e imaginação, numa escrita com desenhos mais caraterísticos do estilo livre; em termos estruturais, comunga com a ária da capo o facto de a última secção ser uma repetição literal da primeira.

 

Programa

Nicolas De Grigny (1672-1703): 

Veni Creator (Plein Jeu)

 

Carlos Seixas (1704-1742):

Concerto em lá maior (arr. António Mota)

  1. I. Allegro
  2. Adagio

III. Giga / Allegro

 

Johann Sebastian Bach (1685-1750):

Prelúdio e Fuga em mi menor, BWV548

Ficha técnica

Palestrante

Ricardo Freire (n. 1979) é membro da Congregação dos Sacerdotes do Coração de Jesus (Dehonianos) desde 1998, tendo sido ordenado presbítero em 2006. É licenciado em Sagrada Escritura pelo Instituto Bíblico Pontifício de Roma (2010). No campo da formação bíblica, tem prestado a sua colaboração nas escolas da Universidade Católica Portuguesa, bem como na Escola de Leigos do Patriarcado de Lisboa e no Curso de Inter-Noviciados, em Fátima.

Na sua Congregação, é membro da equipa formadora do Seminário de Nossa Senhora de Fátima (Alfragide), onde se formam jovens religiosos provenientes de Portugal, Camarões e Moçambique. É também pároco de São José do Bairro da Boavista (Lisboa).

 

Organista

António Mota, organista no Santuário de Fátima desde março do presente ano, é doutorado em Música pela Universidade de Aveiro, com uma tese sobre Olivier Messiaen, orientada pelo Prof. Doutor João Pedro Oliveira, e licenciado em Órgão pela Escola Superior de Música de Lisboa, sob a orientação do Prof. Antoine Sibertin-Blanc (com nota máxima de final de curso e diploma de mérito). É ainda mestre em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores, pelo Instituto Superior Técnico, e professor auxiliar convidado no Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.